facebook rss

fundação

A sede da Fundação Nadir Afonso, um investimento de nove milhões de euros com projecto do arquitecto Siza Vieira, está a ser construída em Chaves. Esta será inaugurada no dia 8 de julho de 2014 para homenagear o pintor e arquitecto flaviense.

O projecto de arquitectura, obra que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Chaves e a Fundação Nadir Afonso, é apresentado a 16 de Janeiro, em Chaves, numa cerimónia que conta com a presença dos mestres Nadir Afonso e Siza Vieira.

Pintor, arquitecto e filósofo, Nadir Afonso Rodrigues nasceu em Chaves, a 04 de Dezembro de 1920, diplomou-se em Arquitectura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto e, em 1965, abandonou definitivamente a arquitectura para se dedicar exclusivamente à criação da sua obra plástica.

O presidente da Câmara de Chaves, João Baptista, disse hoje à Agência Lusa que o concurso público para a obra será lançado após a apresentação do projecto de arquitectura, prevendo-se que a construção tenha início ainda durante o ano de 2009.

O autarca prevê que a obra da fundação esteja concluída em meados de 2011.

João Baptista referiu ainda que a autarquia e a Fundação Nadir Afonso apresentaram uma candidatura ao eixo nove do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) no valor de nove milhões de euros, que inclui a aquisição dos terrenos, execução da obra e equipamentos.

A sede da fundação ficará inserida junto ao centro histórico de Chaves e irá garantir a requalificação da frente ribeirinha do Tâmega.

O edifício acolherá o espólio do artista e contribuirá para dinamizar a vida cultural da cidade transmontana apostando na captação de franjas distintas de públicos, organizando exposições temporárias e permanentes, atribuindo o prémio Nadir Afonso para trabalhos de investigação e de bolsas na área da produção artística e científica.

A fundação vai também organizar ciclos de cinema documental, workshops infanto-juvenis e cursos de Verão.

Entre os espaços que compõem o edifício da fundação destacam-se um auditório com capacidade para 100 pessoas, salas de exposições temporárias e permanentes, arquivo, biblioteca, cafetaria, atelier do Mestre Nadir Afonso, um outro de artes plásticas e loja.

João Baptista classificou o pintor como o “maior expoente vivo da cultura” de Chaves, cuja obra classifica como “reconhecida a nível nacional e internacional”.

Nadir Afonso é um símbolo, um exemplo que queremos preservar. A construção da sede é a forma de Chaves prestar tributo ao pintor”, salientou.

O autarca considera ainda que a escolha de Siza Vieira para projectar a obra é “uma associação feliz”, pois considera que o próprio edifício se transformará num ponto de atracção arquitectónico da cidade de Chaves.

João Baptista revelou ainda que a Fundação Nadir Afonso vai formar um “triângulo cultural” com o recém inaugurado Museu do Douro, no Peso da Régua, e com o Museu do Côa, que será construído em Vila Nova de Foz Côa.

A total propensão de Nadir Afonso para a pintura revelou-se aos quatro anos, em casa, quando traçou com tinta vermelha um círculo perfeito na parede da sala. Em 1934, realizou os primeiros trabalhos a óleo e, em 1938, ganhou o segundo prémio do concurso “Qual o mais belo trecho da paisagem portuguesa?”.

Apesar de tirar o curso de arquitectura, não deixou de pintar e, na década de 40, começou a expor e a ter impacto junto da crítica.

Nadir tinha 24 anos quando uma das suas obras, “A Ribeira”, deu entrada no Museu de Arte Contemporânea de Lisboa.

Em 1965, abandonou definitivamente a “penosa” arquitectura e desenvolveu estudos sobre a geometria, que considera ser a essência da arte. Então a sua vida passa a ser dedicada exclusivamente à criação de uma extensa obra plástica e teórica.

O responsável pelo projecto da sede da fundação Nadir Afonso, Álvaro Siza Vieira, é o arquitecto português mais prestigiado internacionalmente, tendo concebido projectos em numerosos países e obtido importantes prémios, com destaque para o Prémio Pritzker (1992), considerado o Nobel da Arquitectura.

PLI.

Lusa/Fim