facebook rss

Biografia

1920
Nadir Afonso Rodrigues nasceu em Chaves, no dia 4 de Dezembro.

1924
Pinta com tinta encarnada, um círculo perfeito na parede da sala de casa.

1934
Pinta os primeiros trabalhos a óleo.

1938
É-lhe atribuído o segundo prémio do concurso: “Qual o mais belo trecho da paisagem portuguesa?”. Depois de concluiu os estudos no Liceu Fernão de Magalhães de Chaves, matricular-se em Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto. 

1939
Apresenta em Chaves a sua primeira Exposição individual. 

1940
Realiza as primeiras exposições no Porto como aluno da Escola de Belas-Artes participando em todas as exposições do Grupo dos Independentes até 1946. Ensaia vários caminhos na pintura: expressionismo, surrealismo, geometrismo.

1943
O fenómeno da óptica que sempre o apaixonou revela-se e redige os primeiros estudos. 

1945
Participa numa missão estética em Évora sob orientação de Mestre Dordio Gomes, onde pinta «Évora surrealista». Com apenas 24 anos de idade, a obra «A Ribeira» de Nadir Afonso dá entrada no Museu de Arte Contemporânea de Lisboa. Período irisado.

1946
Nadir Afonso parte para Paris. Matriculou-se na Écoles des Beaux-arts de Paris. Por intermédio de Portinari, obtém uma bolsa de estudo de governo francês. Começa a sua colaboração com Le Corbusier.

1947
Le Corbusier concede-lhe as manhãs para pintar sem descontar no ordenado. Inicia o seu período Barroco. Serviu-se durante algum tempo do ateliê de Fernand Léger.

1948
É admitido no Salão Moins de trent ans, em Paris, no qual expõe Composition, de 1946. Porém, antes da inauguração retirou o seu quadro numa atitude de protesto em relação à fraca qualidade das obras apresentadas. Defende tese na cidade do Porto — «A Arquitetura não é uma Arte» — com um projeto executado em Paris sob a orientação de Le Corbusier. Inicia o período egípcio.

1949
Trabalha na Normandia na reconstrução de cidades destruídas pela guerra. Período egípcio. Exposição na Galeria Fantasia, Porto.

1951 
Volta a colaborar com Le Corbusier.

1952
Em Dezembro de 1951 parte para o Brasil, onde inicia colaboração com Óscar Niemeyer, designadamente no projecto do IV Centenário da Cidade de S. Paulo. Na sua ausência Fernando Távora defendeu tese com um projeto realizado por Nadir Afonso.

1954
Regressa a Paris, onde retoma contacto com os artistas orientados na procura cinética (Vasarely, Mortensen, Bloc ente outros) e desenvolve os seus estudos que denomina de «Espacillimité». Intercala períodos em que trabalha na arquitetura com períodos que se dedica exclusivamente à pintura.

1955
Participou no concurso para o Monumento ao Infante, em Sagres.

1956
Expôs na galeria Denise René, Paris e nos anos sequentes realiza investigação estética. Inicia colaboração com George Candilis, seu amigo e camarada do ateliê de Le Corbusier.

1957
Exposição na Galeria Denise René, Paris.

1958
Exposição  no Salon des Réalités Nouvelles, Paris. Publicou «La Sensibilité Plastique», Presses du Temps Présent, Paris. Traz a Portugal obras de Vasarely, Herbin, Mortensen, Bloc com o objetivo de fazer uma exposição e um catálogo, mas ninguém se interessou por esse tipo de pintura.

1959
Apresenta na Maison des Beaux-arts, Paris uma grande exposição e crítica de José-Augusto França na revista Art d’Aujourd’hui.. Exposição Galeria Divulgação, Porto. Nadir Afonso 

1961
Trabalha na arquitetura em Chaves e Coimbra. Exposição no SNI, Lisboa.

Realiza uma exposição individual no SNI e participa na representação portuguesa na Bienal de São Paulo.

1963
Projetou a Panificadora de Chaves (considerada de interesse público em 2006 e uma das 10 obras mais significativas da arquitetura portuguesa do século 20). Expôs na Escola de Belas Artes do Porto.

1965
Nadir Afonso abandonou definitivamente a arquitetura e consciente da sua inadaptação social refugia-se pouco a pouco num grande isolamento para se consagrar inteiramente à criação da sua obra.

1966
Expõe na Cooperativa Árvore, Porto.

1967
Participou no II Salão Nacional de Arte, SNI, Porto e recebeu o Prémio Nacional de Pintura.

1968
Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Paris. Fernando Guedes publicou a monografia Nadir Afonso, Verbo, Lisboa. 

1969
Participou na Bienal de São Paulo e no IV Salão Nacional de Arte, SNI, Lisboa. Recebeu o Prémio Amadeo Souza-Cardoso.

1970
Publica «Mécanismes de la Création Artistique», Editions du Griffon, Neuchâtel, Suíça (publicado em edição francesa, inglesa e alemã).

Exposição Retrospetiva no Centre Culturel Portuguais da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris que depois é apresentada em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian. Exposição no Centre de Culture TPN, Neuchâtel, Suíça.

1971
Realiza a exposição individual na Buchholz.

1972
Expõe na Galeria Alvarez, Porto.

1974
Expôs na Selected Artists Galleries, Nova Iorque e publica Aesthetic synthesis, Edições Alvarez em colaboração com Selected Artists Galleries.

1975
Exposição Galeria Dois, Porto. Exposição Galeria Quadrum, Lisboa.1976

1976
Exposição Art-Service Galerie, Paris.

1978
Exposições na Galeria Tempo, Lisboa, Galeria Art-Service, Paris e Museu da Região Flaviense.

1979 
Expôs na Galeria S. Mamede, Lisboa e na Galeria Tempo em Lisboa e exposição na Galeria Jornal de Notícias e Exposição Galeria Dois no Porto. Exposição na Fundação Gulbenkian, Paris. 

A obra Copacabana de Nadir é capa da revista Colóquio Artes n.º 4, na qual Fernando Peres publica um ensaio dedicado à obra do pintor.

1980
Exposição Galeria Quadrum, Lisboa.

1981
Exposição Museu Proença Júnior, Castelo Branco. Exposição Galeria S. Mamede, Lisboa.

1982
Exposição Galeria S. Mamede, Lisboa. Membro da Academia Nacional de Belas-Artes.

1983
Exposição individual na Cooperativa Árvores, Porto. Publica o ensaio Le sens de l’art, Imprensa Nacional, Lisboa.

1984
Exposição Galeria S. Mamede, Lisboa. Exposição Galeria Gilde, Guimarães. Condecorado pelo Presidente da República General Ramalho Eanes com a ordem Militar de Santiago de Espada.

1985
Exposição retrospetiva em La Madraza, Granada, comissariada por J.M. Gómez Segade. 

Exposição Galeria Bertrand, Lisboa. Exposição Galeria S. Pedro, Amarante.

1986
Os CTT apresentaram um selo com a obra Les Spirales (1954). Apresenta uma exposição individual na Embaixada de Portugal em Brasília.

Exposição Cooperativa Árvore, Porto. Exposição Pousada de Santa Marinha, Guimarães. Publicação da Monografia Nadir Afonso Bertrand Editora, Lisboa. 

1987 
Exposição Galeria Bertrand, Lisboa. Exposição Galeria Quadrado Azul, Porto.

1988
Exposição Museu Souza-Cardoso, Amarante. Exposição Galeria Art-Service, Paris.

1989
Exposição Galeria Quadrado Azul, Porto.

1990
Exposição Galeria Y Grego, Lisboa. Publicou Da Vida à Obra de Nadir Afonso, Bertrand Editora, Lisboa.

1991
Exposição Galeria Art-Service, Paris. Exposição Galeria Quadrado Azul, Porto.

1992
Exposição Galeria Y Grego, Lisboa.

1993
Jorge Campos realiza o primeiro filme sobre a sua vida e obra para a Radiotelevisão Portuguesa, galardoado com os prémios Gazeta da Televisão, Sampaio Bruno da Cultura e a Honourable mention do Club de Imprensa. O Museu da Região Flaviense, Chaves, apresenta uma exposição de Nadir comissariada por Rui Mário Gonçalves.

É dado o nome de Nadir Afonso a Escola 2+3 em Chaves. 

1994
Exposição Galeria Art-Service, Paris. Exposição na Galeria Dário Ramos, Porto. O Laboratório Bial publicou a Monografia «Nadir Afonso».

1995
Exposição na Cooperativa Árvore, Porto. 

1996
Exposição na Galeria Neupergama, Torres Novas. Exposição Galeria Art-Service, Paris. Realizou painéis para a estação dos Restauradores do Metropolitano de Lisboa. 

1997
Exposição na Galeria António Prates.

1998
Publicou Monografia «Nadir Afonso», Livros Horizonte.

1999
Tradução e edição em português de O Sentido da Arte.

Publicação da monografia «Obra gravada».

2000
Publica Universo e o Pensamento, Livros Horizonte, Lisboa. O livro O Porto de Nadir para assinalar o 80º aniversário.

2001
Grande exposição individual no Centro Cultural de Cascais.

2002 
Nadir Afonso publicou o livro Sobre a vida e sobre a obra de Van Gogh, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa — escolhido para melhor livro de Arte na Feria do Livro de Frankfurt de 2003. É selecionado para figurar no Museu do Livro em Leipzig. 

2003
A Universidade Aberta produz o programa Entre nós (sobre o pintor) com apresentação de Raquel Santos e realização de Victor Almeida. 

Exposição no Lugar do Desenho, Fundação Júlio Resende. 

Exposição no Centro Cultural da Deputation de Orense, Espanha. É homenageado no âmbito da XII Bienal Internacional de Vila Nova de Cerveira, onde apresenta uma exposição antológica. 

Publicou O Fascínio das cidades, e Da intuição artística ao raciocínio estético.

2004
O artista é homenageado na 2ª Feira Internacional do Estoril. Atribuição do Prémio Nadir Afonso. Exposição no Centro Cultural de Bragança.

2005
Exposição Fórum Cultural de Ermesinde. Exposição Centro Português de Serigrafia.

Publica As Artes – Erradas Crenças e Falsas Críticas / The arts : erroneous beliefs and false criticisms.

2006
Exposição de tapeçarias de Portalegre realizadas a partir de trabalhos seus.

Executa um painel de azulejos para a Estação Ferroviária de Coina.

Exposição Galeria S. Mamede, Porto. Exposição de Tapeçarias de Portalegre realizadas a partir de trabalhos de Nadir Afonso.

2007
Os CTT editam selos com obras de Nadir Afonso: Horus, Procissão em Veneza e Veneza.

A companhia de teatro O Bando apresenta a peça A linha da viagem – um conto coreográfico em Terras de Nadir, de Madalena Victorino em coprodução com o Teatro Municipal Maria Matos.

Exposição na Galeria António Prates em Lisboa onde são apresentadas duas telas de grandes dimensões. Realiza painéis de azulejo para a estação de comboios de Coina. Os CTT – Correios de Portugal editam selos com obras de Nadir Afonso. Exposição na Galeria do «Jornal de Noticias» no Porto. Exposição na Galeria do Diário de Noticias em Lisboa. 

2008
Publicação do livro de autoria de Nadir Afonso: Face a Face com Einstein.

Exposição documental e exposição de pintura Nadir Afonso – O Futuro Renascimento, Centro de Exposições de Odivelas acompanhado da publicação Nadir Afonso: O Futuro Renascimento, pela editora Dinalivro e coordenada por Sara Silva. 

Integra a exposição coletiva internacional Revolução Cinética realizada pelo MNAC-Museu do Chiado, com curadoria de Emmanuel Guigon.

Exposição na Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda. 

Exposição Nadir XL na Câmara Municipal de Boticas para apresentação do projeto do Centro de Artes Nadir Afonso.

2009 
Exposição na Assembleia da Republica e no Museu Municipal de Coimbra e de Leiria.

As Edições Afrontamento publicam o livro «Nadir Afonso: Itinerário (com) sentido» sobre a vida e obra de Nadir Afonso de autoria de Agostinho Santos. 

Participa nos Encontros com artistas organizados pela FCSH da UNL. 

Realiza um painel de azulejos para os Paços do Concelho de Boticas.

2010
Realiza o painel de azulejos para o futuro túnel do Estoril Sol, em Cascais.

O Museu Nacional de Soares dos Reis em parceria com o MNAC – Museu do Chiado, apresentou a exposição retrospetiva Nadir Afonso. Sem Limites, dedicado ao período compreendido entre 1930 e finais de 1960 acompanhado do catálogo Nadir Afonso – Sem Limites / Without Limits coordenado por Adelaide Ginga.

Expôs também no Museu Tavares Proença Júnior, Castelo Branco, Galeria dos Paços do Concelho, Tomar e no Centro Cultural de Cascais

O Museu da Presidência da República dedicou-lhe uma exposição retrospetiva Absoluto por ocasião do 90º aniversário e condecorado com a Ordem Militar de santiago de Espada pelo Presidente da República.

A editora Dinalivro publicou o ensaio Manifesto: O Tempo não Existe e nova edição de Universo e o Pensamento. A RTP apresentou Conversa Maior, entrevista de Carlos Pinto Coelho.

Doutor Honoris Causa pela Universidade Lusíada, Lisboa (2010) e apresentação da publicação Nadir Afonso: arquiteto e pintor, no mundo de autoria de Mário Chaves. 

2011
Retrospetiva no Centro Cultural de Ílhavo e Museu Municipal de Santiago do Cacém.

Exposição fotográfica no Teatro Experimental de Cascais.

A exposição Absoluto é apresentada na Fundação Eugénio de Almeida, Évora e no Museu do Abade de Baçal em Bragança.

Publica O Trabalho Artístico. Reflexões. Edições Athena.

Agostinho Santos apresentou o livro: Conversas com Nadir Afonso, edições Âncora

Realiza painéis em Azulejo para o túnel de acesso á Praia em Cascais. 

Apresentação da tese no Instituto Superior Técnico Nadir Afonso, o arquiteto de João Cepeda.

2012 
Apresentação no Teatro São João no Porto o filme Nadir Afonso: O Tempo não Existe de Jorge Campos. Exposição no Museu do Douro e na galeria Mocca.

Exposição no Museo Carlo Bilotti-Villa Borghese em Roma e na Istituto Veneto di Scienze Lettere ed Arti em Veneza. Publicação do catálogo coordenado por Stephano Cecchetto: Nadir Afonso percorsi per una nuova estetica, Roma.

Publicação do livro de Agostinho Santos Era uma vez um menino chamado Nadir e do livro Nadir Afonso: arte, estética e teoria de António Quadros Ferreira por ocasião do Doutoramento Honoris Causa pela Universidade do Porto.

Membro Honorário da Ordem dos Arquitetos.

2013
Exposição Museu Nogueira da Silva, Braga. 

Publicação de Nadir Afonso: Absoluto.

Exposição no Centro de Artes Nadir Afonso em Boticas. 

Exposição Museu no Museu do Vinho da bairrada – Anadia. 

Publicação de Nadir Afonso, Arquitecto de autoria de João Cepeda.

 

Colecções Públicas (seleção)

Centre George Pompidou, Paris, França

Coleção Berardo de Arte Contemporânea, Lisboa, Portugal

Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, Portugal

CitiBank, Nova Iorque, EUA

JP Morgan Chase, Nova Iorque, EUA

Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal

Fundação Millenniumbcp, Lisboa, Portugal

Museu Amadeo Sousa Cardoso

Museu de Arte Moderna de S. Paulo, Brasil

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Brasil

Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, Lisboa, Portugal

Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto, Portugal

Museum Im Kulturspeicher, Würzburg, Alemanha

Szépmüvészeti Múzeum, Budapeste, Hungria